Share |

Alcides Sakala Simões

Alcides Sakala Simões

alcides sakalaAlcides Sakala Simões, embaixador, nasceu na Missão Evangélica do Chilume a 23 de Dezembro de 1953. Fez os estudos primários no Bailundo e os estudos liceais na outrora cidade de Nova Lisboa, hoje Huambo. É Licenciado em Ciências Políticas e Relações Internacionais pela Universidade Lusíada de Angola e  Mestrando em Relações Internacionais e Estudos Europeus e Africanos. Ingressou na UNITA, em Dezembro de 1974, tendo dois anos mais tarde integrado a coluna do falecido Jonas Savimbi. Em 1979 passou pela Jamba aquando da sua fundação, onde viria a desempenhar actividade várias até 1980, ano em que seria indigitado pela Direcção da Unita representante do Partido nos Estados Unidos da América. Foi nesse país que começou a sua carreira diplomática como adjunto de Jeremias Chitunda, tendo mais tarde representado a UNITA na República Federal Alemã, Portugal, Bélgica e junto da Comunidade Europeia. Em 1995, por ocasião do 8º Congresso da UNITA, foi nomeado secretário dos Negócios Estrangeiros dessa organização política, e em 2002, após a realização do 9º Congresso, nomeado secretário para a Função Pública. Actualmente, para além da actividade política (porta-voz da Unita), é Docente Universitário. Apenas publicou uma obra: “Memórias de um Guerrilheiro”.


 

 

 

 

 

Excerto da obra “Diário de um Guerrilheiro”

“O rio Hindi é um afluente do rio Sanjamba. O território à sua volta era muito pouco povoado. Num raio de dez quilómetros havia somente uma única aldeia de 6 pequenas casas de capim. Outros populares viviam dispersos, mas todos se dedicavam à agricultura de subsistência. Cultivavam massango, feijão-frade, mandioca em abundância e algum milho. Praticavam com destreza a apicultura, a caça e a pesca. Com base nesta dieta alimentar, mesmo sem sal e óleo, a população do território apresentava bom aspecto físico. As suas gentes alimentavam-se essencialmente de mel, carne de caça, cereais e mandioca.

De facto, era tradição dos povos do Leste de Angola, decorrente de várias décadas de guerras cíclicas, cultivavam apenas as terras altas, distantes dos cursos de água e das nascentes, contrariamente às populações do centro de Angola que praticam a sua agricultura tanto em terras altas como baixas, aproveitando as margens férteis dos grandes rios de planície.

Construímos a base na nascente do rio Hindi e permanecemos no local dois meses. Durante este período, mantivemos o nosso ritmo de trabalho, com base de encontros regulares e diários com o Presidente e as chefias militares. Reuníamo-nos duas ou três vezes ao dia e à noite quando fosse necessário, para abordagem em detalhe do desenvolvimento da situação política, diplomática e militar do país, em particular do território onde estávamos.”

Digo força mais velho porque o futuro da nossa Angola está nas vossas maos e temos certeza que um muito proximo a verdade triunfara em honra aos verdadeiros herois da nossa terra......

digo eu como estudante pré-universitário que é bóm acreditar num futuro melhor de angola,mais com esse tribalismo que há ñ se vai a lugar nenhum, queremos ver a nação ovimbundu também na senda política do nosso país sem qualquer instinção. quanto a ti sr DOCTOR que continues a lutar pela pela sua nação.

Tive o privilégio de ter estudado na mesma escola do Bailundo.
Que Deus lhe de forças para concretizar o bem-estar do Povo Angolano.

ola, Drº Acides Sacala! nao tenho nada a comentar, apenas dar-te força, e corage, na carreira política, visto
que nao é facil fazer políticas neste país, onde o partido no poder é muito ganancioso... nao se esquecendo do nosso consolador, DEUS, que é o nosso criador, vamos confiar NELE, e ELE vai nos ajudar...! até já

Tenho o maior apreço por este senhor. Foi um momento alto do meu percurso de vida estar com ele e seguir o seu ético padrão de comportamento na Unita. É para mim um modelo de dedicação e abnegado, recordo-me amiudadamente dele, suas sábias palavras tão cheias de conforto.
Que tenha muitos e longos anos de vida, Angola necessita desta estirpe de gente. Os Ovimbundos podem orgulhar-se dele
" O Soba T´Chingange"

Alcides Sacala es um homem valorizo que com mais coragem poderas atingir alvos almejados pelos angolanos, hoje ovimbundos estao totalmente destruidos e marginalizados e com a corrupçao partidaria ate aqueles que em trintas anos defenderam os ideias de J.S,e da democracia estao corrompidos e dispiram-se dos verdadeiros ideias, ate dizem ja nos pagam bem a politica fique de fora se esqueceram de que Angola caminha para um novo rumo unipartidarioa. Que pena do nosso pessoal? que pretende ou ja venderama dignidade com os Kuanzas? Angolanos no mundo inteiro lutemos pela democracia real. a nao ser esta como e vista. Tal como uma participante disse eu sou do Huambo e gostei do fungi no congresso, fantasma nunca comrste fungi? CHAS QUE FOSTE AO CONGRESSO PARA TRESOLVER PROBLEMAS , ou para te empantorar???....
So havera democracia quando houvr democracia vredadeira nao como a que existe, por exemplo no Namibe todo funcionario publico e obrigado a ser do MPLA, SERA ISTO DEMOCRACIA? E OS MENOS INFORMADOS CHORAM E L*MBEM OS *** DOS GI«OVERNANTES DO MPLA.
Vejam so, Unitel e da tcize, BAI e dos Santos, Mocom E DOS sANTOS, SGO e da Ana Paula, Movicel sera tambem da filha, BDA tambem e do mais velho etantas outras emprezas importantes, todos pipol de Angola quase lembe no rabo de Jdu ate quando? Gikuleno messe Camaradas. Acordem angolanos...........................